História


 

Fundação: 7 de Setembro de 1853 (155 anos)
Com as terras originalmente ligadas à antiga Comarca do Serro Frio e depois ao município de Minas Novas, a história do município liga-se à história de seu fundador, Theophilo Benedicto Ottoni, que, após renunciar ao seu mandato de deputado, em 1849, iniciou a colonização do Vale do Mucuri, a partir de 1852. Para marcar o encontro das duas grandes expedições que partiram em direções diversas, foi fundado, em 1853, o núcleo pioneiro, à margem do rio Todos os Santos, denominado Filadélfia, em homenagem à cidade homônima, considerada o berço da democracia nas Américas.

A região que compreende o território do município de Teófilo Otoni, segundo um pertinaz pesquisador de nosso passado, o Dr. Reynaldo Ottoni Porto, começou a despertar a atenção dos portugueses, logo após o descobrimento do Brasil por Pedro Álvares Cabral, em 1500. A preocupação maior, era constatarem a existência do ouro e do diamante na terra desconhecida. De indagação em indagação, vieram a Ter notícias, por intermédio dos silvícolas, de uma "Serra das Esmeraldas", situada no nordeste do nosso Estado. D. João III, pensando nos milhões que poderia adquirir o seu reino se tal fato viesse a se confirmar, organizou expedições para visitarem as nossas terras. A primeira, data de 1550, tendo sido chefiada por Martim Carvalho. Devido aos inúmeros obstáculos, essa expedição regressou, sem Ter conseguido alcançar o seu objetivo, que era positivar a realidade da "Serra das Esmeraldas". Seguiram-se as de Sebastião Fernandes Tourinho, em 1573, e Antônio Dias Adorno, em 1580. Ambas limitaram-se ao conhecimento da região. Data de 1752 a fixação do ambiente mais antigo da região: Mestre de Campo João da Silva Guimarães. Em seguida, surge a Fazenda Mestre Campo, aberta pelo Sr. Antônio José Coelho. Hoje, essa fazenda é sede da Colônia Francisco Sá, que é habitada por colonos nacionais, alemães, austríacos e outros. Em 1836, o engenheiro Victor Renault, em demorada excursão, percorreu os vales dos rios Todos os Santos e Mucuri e, tendo atingido a foz do último no Oceano, no Estado da Bahia, regressou. Felizmente, nascera na cidade do Serro, neste Estado, em 27 de novembro de 1807, Teófilo B. Otoni.
Desejando desbravar e colonizar a região do Mucuri, ele organizou, em 1847, a Companhia de Comércio e Navegação do Mucuri, que imediatamente entrou no plano das realizações. Entre as suas aspirações, estava incluída a fundação de uma cidade que se tornasse o centro propulsor e distribuidor do progresso no norte de Minas Gerais. No ano de 1847, Teófilo B. Otoni, projetou ligar o nordeste mineiro com o litoral de Brasil, através da densa floresta, dos chapados e serras que acompanham a costa brasileira de norte a sul. Para esse fim; organizou duas grandes expedições. Uma delas partiria de Santa Cruz do Rio Preto e a outra, avançaria Mucuri acima, Santa Clara (Nanuque) é o local onde essas duas expedições se encontram. Estava vencida a primeira etapa. Em 1851, Teófilo B. Otoni, fundou no Rio de Janeiro a "Companhia Mucuri", a qual haveria de organizar o transporte fluvial e terrestre, bem como explorar a região. Como em 1847, ele combina o encontro de duas expedições: uma saindo do Alto dos Bois, levando a incumbência de localizar o rio Todos os Santos e segui-lo até sua desembocadura no Mucuri; o rio Todos os Santos tinha a fama de ser prodígio em ouro e diamantes; e outra que partindo de Santa Clara, se dirigia para o mesmo local. A primeira era chefiada por seu primo Dr. Manuel Esteves Otoni. A Segunda era dirigida por ele mesmo e por um cunhado, Joaquim José de Araújo Maia.
Selecionaram os homens, limparam as velhas carabinas e afiaram os facões de mato. Arranjaram os "línguas"para os necessários entendimentos com os índios. Reuniram alimento, remédios e ferramentas. Colocaram as bruacas de sol, o fumo de rolo, os panos de toucinho, os(barris de pólvora. Tudo estava pronto para a grande arrancada. E por uma fria madrugada de 1852, Teófilo Otoni invade as selvas virgens do Mucuri. A marcha é penosa. Os cipós são embaraçandos as serpentes pérfidas; os mosquitos matadores e as onças de pé fofo. Os índios começam a dar sinal de sua presença. Mas os homens tinha ordem de não atirar nos selvagens, nem mesmo para responder à agressão. Por isso, aos
primeiros ataques, e para afugentar os índios, disparam para o ar. Certa manhã, a catástrofe chega de surpresa. Os botocudos investem repentinamente e, desaparecem na brenha espessa. Terminado o assalto, as conseqüências são funestas: dois homens agonizantes, quatro feridos e todos os animais de carga mortos. Os pioneiros prosseguem. Agora substituem as bestas carregando o que é possível. E a caminhada se torna um drama sem fim. Os mantimentos acabam. Passam a alimentar de frutos silvestres e palmito sem sal. O receio de novos ataques de índios, causam pesadelos e noites mal dormidas. Um dia, num ponto cerca de 200k de Santa Clara, avistaram uma bela planície, com bom clima e terra fértil, causando admiração àqueles homens rotos e cansados. E Teófilo B. Otoni, de fisionomia aberta, designando aos companheiros as margens férteis do rio, com uma exclamação que deveria perpetuar-se no tempo, diz: Aqui farei a minha Filadélfia! ( nome que ocorreu a Teófilo B. Otoni em virtude da grande e rápida prosperidade alcançada pela
cidade norte-americana que leva ainda hoje o mesmo nome). No aniversário da Independência, a 7 de setembro de 1853, Teófilo B. Otoni faz a inauguração de Filadélfia como centro das colônias do Mucuri. Ele escolhera a data de propósito, na intenção de brindar o grande dia com uma nova cidade. A solenidade é bem simples: o engenheiro
Scholobach faz o alinhamento de uma rua, plana e retilínea, comprida de meia légua, no rumo norte-sul, foi batizada a primeira rua de Filadélfia, a tradicional Rua Direita, oficialmente Avenida Getúlio Vargas. Na pequena capela, futura matriz, foi realizada a primeira missa em Filadélfia. As imagens sagradas são as do antigo oratório de Manuel Vieira Otoni, o fundador de Vila do Príncipe. Os primeiros habitantes das terras de Teófilo Otoni, foram indígenas descendentes dos Tapuias. Em 1922 havia ainda uma derradeira taba de índios Machacalis, localizada nas nascentes do ribeirão Imburanas, habitada por 15 a 18 famílias. A partir daí o estadista colonizador abraçou com entusiasmo a idéia de estabelecer núcleos coloniais, que seriam confiados a imigrantes europeus, particularmente germânicos. Um dos passos decisivos nesse sentido, foi sem dúvida o apoio que o Governo Imperial assegurou ao empreendimento. Redobrou-se o ímpeto progressista. Já em 1854, erguiam-se grandes armazéns em Filadélfia e Santa Clara, e procedia-se à abertura da
estrada, que quatro anos mais tarde acabaria de ligar esses dois povoados. Em 1856, chegavam os primeiros colonos Suíços e Alemães como conseqüência de anúncio mandado publicar nos jornais da Alemanha pela firma Scholobach e Morgenster, por ordem de Teófilo B. Otoni, convidando colonizadores, que teriam aqui amparo em todos os sentidos por parte da "Companhia Mucuri". Era o dia 27 de julho de 1856. Mal chegados os primeiros imigrantes, a companhia lhes confiou empreendimento comum: trabalhar na estrada que ligaria Filadélfia a Santa Clara. Só depois de acabada esta obra em 1858, cada qual poderia tomar posse de sua cota de terras, distribuídas nas bases que se seguem: todo
imigrante recebeu, uma extensão de terras com as seguintes dimensões: 220m, de frente por 3.000m de fundo, ou seja, exatamente 15 alqueires. A estrada de Santa Clara-Filadélfia, primeira rodovia do interior do Brasil, foi inaugurada em agosto de 1857, era a via ápia do Mucuri, por ela trafegava em 1859, mais de 40 carros particulares, puxados por bestas, 200 carros de boi, 400 lotes de burros. Tinha uma extensão de cerca de 170km. Naquela época, 1858, Filadélfia já acusava uma população de 600 habitantes, 129 casas residenciais, na maioria construções rudimentares e simples, e 12 estabelecimentos comerciais. Naquele tempo, a florescente Filadélfia sofria rude golpe com o êxo


Volta